Home / Cidade / Assistente social morta em acidente na Paralela voltava do pediatra com filho e marido

Assistente social morta em acidente na Paralela voltava do pediatra com filho e marido

Corpo de Ana será sepultado nesta quarta (3); marido e filho estão internados

A assistente social Ana Carolina Andrade, 32 anos, tinha acabado de sair de uma consulta pediátrica com o filho Caio Andrade, de três meses, e com o marido, o técnico em elétrica Leandro Nery, 36. A vítima seguia para casa, localizada no bairro do Jardim das Margaridas, em Salvador. Ela havia se mudado para a cidade há dois anos, assim que se casou com Nery.

“Caio foi muito esperado por eles. Minha sobrinha planejou tudo. Ela era uma pessoa cheia de vida e que tinha vontade de viver. É muita crueldade morrer dessa forma. Nós, da família, estamos acabados”, disse a tia da vítima, Ana Cristina Andrade.

Na tarde desta terça, ela ainda resolvia questões burocráticas sobre o sepultamento da sobrinha, no Instituto Médico Legal (IML). Ana Cristina conta que ficou sabendo do acidente através de um telefonema. “Alguém viu na televisão e me ligou pra avisar. Meu chão caiu”, relembrou ela.

Bastante abalada, Ana falou sobre os últimos momentos que teve com a sobrinha, no domingo (1º). “Nos reunimos no almoço de Páscoa. Eu estava com ela. É difícil acreditar no que aconteceu”, comentou

Ana Carolina cresceu no bairro de Vista Alegre, no Subúrbio Ferroviário. Ela trabalhava na Fundação José Carvalho há oito anos. Já o marido, Leandro, cresceu na região da Avenida Vasco da Gama.

Estado de saúde
Pai e filho passam bem, mas ainda devem passar a noite do Hospital São Rafael, segundo a tia da vítima. Ela disse que chegou a conversar com a pediatra que atendeu o bebê. “Caio está aparentemente bem, mas ele vai ficar no hospital por questões de segurança”, afirmou.

Leandro está com um colar cervical por causa do impacto do acidente e ainda vai ser submetido a exames. O sepultamento de Ana Carolina vai ocorrer nesta quarta-feira (4), às 16h30, no cemitério Bosque da Paz, no bairro de Nova Brasília.

Acidente
O acidente aconteceu por volta das 8h40, na região do Bairro da Paz, sentido aeroporto. A proteção metálica atravessou todo o veículo pelo lado da motorista. Viaturas da Polícia Militar e da Transalvador permaneceram no local durante toda manhã.

O corpo de Ana Carolina foi retirado pelo Corpo de Bombeiros por volta de meio-dia, após uma equipe do Departamento de  Polícia Técnica (DPT) realizar perícia.

Ana Carolina cresceu no bairro de Vista Alegre, no Subúrbio Ferroviário. Ela trabalhava na Fundação José Carvalho há oito anos. Já o marido, Leandro, cresceu na região da Avenida Vasco da Gama.

“Eu não vi tudo, mas vi que ela chocou primeiro contra o guard rail, girou e nessa o outro carro, um J3 da Jac Motors, veio e bateu nela. Aí já era tarde. Ela morreu na hora”, disse um operário, sem se identificar.

Conforme Eric Mascarenhas, foi possível ouvir o barulho causado pelo impacto entre o veículo, um Voyage prata, com o guard rail. Um segundo carro, modelo J3 da Jac Motors, chegou a bater no carro conduzido por Ana Carolina, que trafegava sentido Aeroporto. “Eu escutei o barulho e o carro já estava assim, virado na contramão. O motorista do outro veículo [Jac], coitado, bastante nervoso, disse que ainda tentou desviar. Me aproximei e fiquei apavorado quando vi o bebê”, disse.

Perito do DPT, Agnaldo Petrônio afirmou que ainda é cedo para apontar as causas do acidente. “Alguma coisa impulsionou a motorista para a esquerda. É cedo para fazer qualquer afirmação, ainda vamos periciar o segundo veículo [J3], mas, por alguma razão, a motorista inclinou para a sua esquerda e acertou o guard rail”

Ainda conforme Agnaldo, a perícia não encontrou indícios que indicassem que Ana dirigia em velocidade acima da permitida. “Mas só a perícia finalizada poderá indicar as causas”, ponderou Agnaldo. Segundo o perito, a vítima sofreu lesões em toda perna esquerda, atingida pelo equipamento metálico.

Não há informações sobre o estado de saúde de Leandro Nery e do filho. O laudo pericial com as causas do acidente podem levar até 90 dias para ficar pronto, segundo o DPT.

About Redação

Check Also

Transporte de Salvador terá operação reduzida a partir deste sábado (26)

Frota será de 50% nos horários de pico e 40% nos outros períodos durante o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *