Home / Economia / Comprar pela internet vai ficar mais caro

Comprar pela internet vai ficar mais caro

Correios anunciaram reajuste de frete; aumento chega a 31,49% na Bahia

Toda vez que precisa comprar um sapato, uma roupa ou um celular, a estudante de Letras Alice Santana, 27 anos, recorre à internet. O casaco novo chegou no começo do mês, após um clique em um site do Rio Grande do Sul. Ela acha mais prático e barato comprar assim, mas, a partir da próxima terça-feira (6), a praticidade vai custar mais caro. Os Correios anunciaram um aumento no valor do frete que está deixando consumidores, pequenos empreendedores e até um gigante do e-commerce, como o Mercado Livre (ML), preocupados.

Apesar de os Correios anunciarem um aumento médio de 8% nas tarifas, um levantamento do Mercado Livre indica um reajuste bem maior. Segundo o site de vendas, o reajuste médio no país é de 23%, chegando a 51% em determinadas localidades. Aqui na Bahia, o maior aumento é de 31,49%, no caso do PAC (encomendas simples), que passam de R$ 16,79 para R$ 22,06, em pacotes com até meio quilo.

O envio de sedex para cidades do interior, como Porto Seguro e Juazeiro, fica até 24,47%, passando de R$ 36,70 para R$ 45,68, em embalagens entre 300 gramas e meio quilo. O envio para Salvador ficará até 15,88%, passando dos atuais 27,27% para R$ 31,60.

O reajuste pegou algumas pessoas de surpresa, apesar de os Correios afirmarem que o mesmo acontece todos os anos. Em nota, os Correios informaram que o reajuste não é somente para o e-commerce (compra e venda pela internet), mas para os serviços de encomendas de forma geral, e que trata-se de uma revisão anual, prevista em contrato.  “A definição dos preços é sempre baseada no aumento dos custos relacionados à prestação dos serviços, que considera gastos com transporte, pagamento de pessoal, aluguéis de imóveis, combustível, contratação de recursos para segurança, entre outros”, diz.

Impacto negativo
O microempresário Daniel Bastos, 25, é dono da Akade Punch, uma loja virtual geek (especializada em venda de produtos ligados ao universo dos super-heróis e quadrinhos). Ele lembra que a maior parte dos fornecedores desse segmento estão em São Paulo.  Ele recebeu a notícia do reajuste com surpresa  e disse que já tem adotado algumas estratégias para tentar diminuir custos.

“Tenho um irmão que mora em São Paulo. Toda vez que ele vem para Salvador pedimos para trazer alguns produtos. O mesmo acontece quando vamos viajar, aproveitamos para trazer algumas mercadorias. A gente também tem procurado fornecedores mais próximos”, diz.

Ele usa os serviços dos Correios desde que a loja dele foi inaugurada, e que esse é um hábito que desenvolveu antes mesmo de ter um empreendimento, quando comprava produtos pessoais pela internet. Para os especialistas, o costume deve ser repensado.

O analista técnico do Sebrae Anderson Teixeira sugere que os empreendedores busquem alternativas. Ele recomenda a busca de empresas especializadas em logística e avaliem se é mais barato continuar usando o serviço dos Correios ou substituí-lo.

“Existem empresas especializadas em entregas, com diversos associados. São empresas que têm logística própria e, por isso, não são afetadas pelo reajuste dos Correios”, afirmou o consultor.

E-commerce em alta
Anderson Teixeira lembra que o segmento de e-commerce está em crescimento na Bahia. Durante a Black Friday, o Nordeste é responsável por 12% das vendas no país. Apesar do aumento, os Correios ressaltam que a parceria com o e-commerce brasileiro é de extrema importância para a empresa, que essa relação permite a micro, pequenas e médias empresas, reduções de preço que chegam a mais de 30% no Sedex e 13% no PAC.

Mas o alerta do Mercado Livre, uma das maiores empresas do setor em operação no Brasil, mostra que há grande insatisfação com a operação dos Correios. Em nota, a empresa questiona: “Se a inflação do último ano foi em torno de 3%, como pode o aumento da taxa de entrega chegar a ser até dezessete vezes maior?”.

Segundo o ML, após o aumento, o frete brasileiro se tornará 42% mais caro do que o da Argentina, 160% mais caro do que do México e 282% mais caro do que o da Colômbia – para falar de outros países em que o Mercado Livre opera.

Outra bronca da empresa é com o cancelamento do e-sedex, que permitia a entrega de produtos do e-commerce com prazos mais curtos e a preços mais acessíveis. Para o Mercado Livre, o impacto do aumento anunciado pelos Correios será grande para os consumidores dos grandes centros urbanos, mas ainda maior para os que vivem fora dessas regiões.

A estudante Alice Santana, que além de cliente do e-commerce pretende montar uma loja virtual com o noivo, diz que precisará calcular novamente as despesas. “O serviço dos Correios já é caro e não é bom”, lamenta. “Não posso repassar esse reajuste para os clientes, pelo menos não os 8%. Vou ter que arcar com a maior parte desse valor”, afirma.

Pelas contas do Mercado Livre

31,49% é o aumento nos custos para o envio de encomendas simples (PAC) pelos Correios.
R$ 22,06 será o valor cobrado para o envio para as cidades baianas, como Feira de Santana, Vitória da Conquista, ou Salvador, por exemplo.
51% será o reajuste máximo no valor das encomendas simples, praticado na chamada rota 16, o que inclui municípios nas regiões Norte e Nordeste do país, como Fortaleza (CE), Recife (PE) e Rio Branco (AC).
23% será o reajuste médio praticado no Brasil, pelas contas do Mercado Livre. De acordo com nota enviada pelos Correios, o percentual de aumento praticado será menor, de 8% em média.

Taxa de violência
Outra novidade anunciada pelos Correios, depois do reajuste de 8% no valor das encomendas no país, foi a criação de uma taxa extra para cidades cujo índice de violência é considerado alto. Em nota, a empresa disse que os moradores do Rio de Janeiro terão que pagar R$ 3 a mais pelas encomendas, e que essa cobrança já é praticada por outras transportadoras brasileiras desde março de 2017.

“Conforme amplamente divulgado pelos veículos de comunicação, no Rio de Janeiro a situação de violência chegou a níveis extremos e o custo para entrega de mercadorias nessa localidade sofreu altíssimo impacto, dadas as medidas necessárias para manutenção da integridade dos empregados, das encomendas e até das unidades dos Correios”, diz a nota.

Ainda segundo os Correios, a cobrança extra poderá ser suspensa a qualquer momento, desde que a situação de violência seja controlada. Já o reajuste de 8% vale para os objetos postados entre capitais e nos âmbitos local e estadual, que representam a grande maioria das postagens realizadas nos Correios.

Os consumidores questionaram o valor. Para a fotógrafa Vanessa Ramos, 29 anos, o reajuste foi abusivo. “Sempre compro meus equipamentos pela internet porque existem poucas lojas especializadas em Salvador, e os valores são sempre absurdos. Pela internet é muito mais barato. O serviço dos correios é caro e demorado. Reajuste, pra mim, só se justifica se eu ver melhora no serviço ou nas condições de trabalho dos funcionários. Acho que não é o caso porque eles fazem greve direto”, afirmou.

O analistas técnico do Sebrae, Anderson Teixeira, acredita que que uma das consequências do reajuste será o aumento no número de empresas de entrega de encomendas no país. Para quem está em dúvida do que fazer uma alternativa é pesquisar na internet as chamadas e-marketplaces. “O mercado das empresas de logística deve crescer porque elas irão em busca dos empreendedores. Esse será o momento ideal para esse crescimento”, afirmou.

About admin

Check Also

Situação do país piorou para 72% da população, aponta Datafolha

Em meio à alta volatilidade cambial, às incertezas sobre a retomada do crescimento e aos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *