Home / Brasil / Mercado Livre consegue projeto contra aumento no frete dos Correios

Mercado Livre consegue projeto contra aumento no frete dos Correios

Decisão vale somente para o Mercado Livre; Correios tentam derrubar

Uma liminar concedida ao Mercado Livre suspende temporariamente o reajuste no frete de encomendas enviadas pelos Correios. Na semana passada, a gigante do e-commerce iniciou uma campanha contra o aumento dos preços, afirmando que entre alguns lugares seria registrado reajuste de 51%.

A liminar, válida somente para o Mercado Livre, suspende os reajustes nos serviços de PAC e Sedex e também a taxa extra de R$ 3 para entregas no Rio de Janeiro. Esta taxa foi implantada pelos Correios por conta da violência na cidade, que “chegou a níveis extremos e o custo para entrega de mercadorias nessa localidade sofreu altíssimo impacto”, segundo nota da estatal.

Segundo o Mercado Livre, uma encomenda de até 500 gramas enviada por PAC de São Paulo (SP) para Franca (SP) passaria de R$ 11,85 para R$ 12,79 (aumento de 7,93%), enquanto uma de Fortaleza (CE) para Joinville (SC) subiria 50,89%, de R$ 54,02 para R$ 81,51. Já os Correios contestam essa informação e dizem que a média de aumento será de 8%.

“Os Correios foram notificados e estão trabalhando para obter a suspensão da liminar. Enquanto isso, a empresa está cumprindo a decisão judicial, que se aplica somente às demandas do Mercado Livre”, informou a estatal.O Mercado Livre confirmou que, com a decisão assinada pela juíza Rosana Ferri, da Segunda Vara da Justiça Federal de São Paulo, seus clientes “não serão impactados pelos aumentos impostos pelos Correios”.

A empresa diz que a decisão confirmou “a visão da companhia de como uma medida unilateral dos Correios pode impactar seriamente a inclusão geográfica, digital e econômica, especialmente para aqueles clientes das regiões mais remotas do país”.

About admin

Check Also

Presidente do TRF-4 decide que Lula deve continuar preso

O desembargador considerou que, como há um conflito de competência entre os dois desembargadores, cabe …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *