Home / Noticia / Marcelo Nascimento da Rocha, conhecido como Marcelo VIP é preso novamente

Marcelo Nascimento da Rocha, conhecido como Marcelo VIP é preso novamente

Condenado por vários crimes, Marcelo Nascimento da Rocha, cuja história inspirou o filme “VIPs – Histórias Reais de um Mentiroso” e é considerado um dos maiores golpistas do país, foi preso nesta quarta-feira (25) durante a Operação Regressus por apresentar atestados falsos para a progressão de regime.

A defesa de Marcelo VIP negou que ele tenha falsificado documentos e afirmou que o tempo de trabalho será comprovado.

Também foram presos em Cuiabá, durante a operação, o ex-assessor da 2ª Vara Criminal de Cuiabá (Vara de Execuções Penais), Pitágoras Pinto de Arruda, e o condenado por tráfico de drogas Márcio Batista da Silva, conhecido como Dinho Porquinho.

A operação foi deflagrada pela Polícia Civil de Mato Grosso com o apoio do Ministério Público Estadual (MPE) e do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). Ainda são cumpridas 19 ordens de busca e apreensão em Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis e Rio de Janeiro.

A polícia suspeita que outros presos possam ter conseguido a remição da pena usando documentos falsos ou empresas de fachada.

Marcelo “Vip”, como ficou conhecido, passou quatro anos na prisão e em 2014 passou a cumprir pena em regime semiaberto, mas, como Mato Grosso não tem estrutura adequada para esse tipo de regime, foi beneficiado com a prisão domiciliar, após comprovar que tinha trabalho.

Ele era monitorado com tornozeleira eletrônica.

Piloto de avião, Marcelo é acusado de aplicar diversos golpes e parte dessas histórias foi contada no livro “VIPs – Histórias Reais de um Mentiroso”, depois adaptado para o cinema com atuação de Wagner Moura no papel do golpista.

Ele já foi condenado por crimes como associação ao tráfico, roubo de avião, estelionato e falsidade ideológica. Foi preso em 12 estados diferentes e fugiu nove vezes.

A operação

Os mandados de prisão foram expedidos pala Vara Contra o Crime Organizado de Cuiabá.

A investigação é coordenada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado e teve a cooperação da Subsecretaria de Inteligência do Estado do Rio de Janeiro e a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

A apuração é sedimentada em três inquéritos instaurados na Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), que apuram fraudes processuais para obtenção de progressão de regime, peculato e também lavagem de capitais de presidiários que progrediram usando documentos falsos.

About Redação

Check Also

No Prado Valadares, em Jequié, Angelo Coronel destaca “revolução na saúde” feita por Rui Costa

Na reinauguração do Hospital Geral Prado Valadares hoje (21.05), em Jequié, o presidente da Assembleia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *