Home / Brasil / Refeitório e pousada foram arrastados por lama em Brumadinho; 60 mortes são confirmadas

Refeitório e pousada foram arrastados por lama em Brumadinho; 60 mortes são confirmadas

As buscas por vítimas e sobreviventes da tragédia provocada pelo rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, foram retomadas na manhã desta segunda-feira (28). O balanço oficial mais recente, divulgado pelas autoridades às 10h30, lista 60 mortes e 292 desaparecidos.

Números da tragédia

  • 60 mortos confirmados – 19 identificados
  • 292 desaparecidos
  • 382 localizados
  • 192 resgatados

ACOMPANHE ATUALIZAÇÕES NA COBERTURA AO VIVO

A barragem de rejeitos, que ficava na mina do Córrego do Feijão, se rompeu na sexta-feira (25). A lama varreu a comunidade local e parte do centro administrativo da empresa. Entre as vítimas, estão moradores e funcionários da Vale.

As equipes lideradas pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais adotam diferentes estratégias para localizar sobreviventes e vítimas. Aos poucos, a lama fica mais sedimentada – ou seja, menos fofa. Por isso, as equipes precisam tomar cuidados para não colocar em risco os possíveis sobreviventes nem os próprios bombeiros.

Eles afirmam que o tempo firme desta segunda permite que os trabalhos sejam agilizados. Além disso, helicópteros estão sendo utilizados para resgatar corpos.

Neste quarto dia de buscas, 136 militares de Israel vão reforçar os trabalhos de resgate, juntando-se a cerca de 270 brasileiros de vários órgãos que atuam na região. A tropa da ajuda oferecida pelo governo israelense já está no local da tragédia e levaram equipamentos que podem detectar corpos e sinais de celulares debaixo da lama.

A Vale informou que cerca de 50 pessoas estão trabalhando no resgate da fauna local às margens do Rio Paraopeba. Já foram resgatados 26 animais domésticos.

Buscas

“É um trabalho de formiguinha, são áreas gigantescas”, diz o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, sobre as buscas.

Os socorristas usam cajados para perfurar a lama em busca de corpos, sobreviventes ou veículos que possam estar soterrados. O trabalho é cansativo. Como a lama está fofa, os pés afundam. Alguns bombeiros usam roupas de mergulho.

Aihara afirmou que o refeitório – onde estavam trabalhadores da Vale no momento do rompimento da barragem – provavelmente foi arrastado pela lama e pode ter ido parar a “até quilômetros à frente”.

Segundo ele, no sábado (26) foi determinado o local onde ficava uma pousada em Brumadinho. A pousada foi varrida de seu ponto original, onde agora “só tem lama”. Estima-se que, lá, havia 35 pessoas.

Ainda de acordo com o porta-voz dos bombeiros, não está definido por quanto tempo os israelenses vão atuar na região e que uma reunião deve alinhar os trabalhos.

O coronel que lidera as tropas israelenses que ajudam nos trabalhos, Golan Vach, afirmou que a prioridade é encontrar pessoas com vida. Ele explicou que sonares serão usados para tentar localizar vítimas. Segundo ele, os equipamentos conseguem achar corpos que estejam a até 4 metros de profundidade.

Em entrevista na manhã desta segunda, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, afirmou que o apoio dos militares de Israel vai “aumentar muito a chance de encontrar novos sobreviventes” e dar mais “agilidade para encontrar vítimas”.

O governador disse que a preocupação é achar os sobreviventes e vítimas e que “donativos não tem feito diferença para melhor”.

Dois ônibus encontrados

O número de mortos deve aumentar, segundo o tenente coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil de Minas Gerais.

Em entrevista, ele afirmou que há corpos dentro de um segundo ônibus soterrado perto do centro administrativo da Vale em Brumadinho. A quantidade de vítimas dentro do veículo, encontrado neste domingo (27), não foi confirmada.

Por causa da localização veículo soterrado, as autoridades haviam decidido não suspender as buscas durante a madrugada. No entanto, o alto volume de lama impediu que os trabalhos continuassem.

As buscas foram interrompidas na noite de domingo e foram retomadas por volta das 4h desta segunda. Nesta tarde, o veículo foi encontrado.

No sábado (26), o Corpo de Bombeiros já havia encontrado um ônibus na região da barragem. Todos os ocupantes do coletivo eram funcionários da empresa e morreram, segundo o porta-voz da corporação. Ao menos dez corpos foram retirados.

Também na noite de domingo um avião com 136 militares e 16 toneladas de equipamentos enviados por Israel chegou ao aeroporto de Confins.

Os israelenses passaram a viagem planejando os trabalhos. No aeroporto em Confins, eles se reuniram com equipes que comandam os resgates em Brumadinho.

O que se sabe até agora:

  • Dos 60 mortos confirmados, 19 foram identificados
  • 192 sobreviventes foram resgatados e 382 foram localizados;
  • Entre as 292 pessoas desaparecidas, há moradores locais e funcionários da Vale. No sábado (26), a mineradora divulgou uma lista com nomes de pessoas que não foram encontradas
  • Familiares de desaparecidos buscaram informações no IML de BH. Uma força-tarefa foi formada, mas a identificação dos corpos é difícil;
  • Bombeiros divulgaram lista de 183 nomes de pessoas que foram achadas vivas
  • A Vale já teve três bloqueios de recursos, de R$ 1 bilhão, e dois de R$ 5 bilhões  e recebeu multas no total de R$ 350 milhões;
  • Vale suspendeu bônus a executivos da empresa e pagamento de lucros a acionistas e criou 2 comitês para acompanhar a tragédia
  • As Polícias Federal e Civil abriram inquéritos sobre o rompimento
  • O presidente Jair Bolsonaro, ministros, o governador Romeu Zema e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge sobrevoaram a áreae prometeram ações de investigação, punição e prevenção;
  • A ONU emitiu nota de pesar e ofereceu ajuda nos esforços de busca;
  • Instituto Inhotim, que fica em Brumadinho, ficará fechado até dia 31

Check Also

Bolsonaro alia reforma da Previdência de militares a benefícios e abre flanco na Câmara

Se de um lado promete economizar 97,3 bilhões de reais, do outro se compromete a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *