Home / Brasil / Governo do RJ diz que 80 mil famílias estão em área de risco

Governo do RJ diz que 80 mil famílias estão em área de risco

Witzel culpou ‘décadas de abandono’ de prefeituras e criticou ocupação ‘totalmente desordenada’. Cinco pessoas morreram durante o temporal que atingiu a cidade na noite desta quarta (7).

O governador do Rio de janeiro, Wilson Witzel (PSC), afirmou, nesta quinta-feira (7), que há cerca de 80 mil famílias em situação de risco no Rio de Janeiro, segundo um levantamento da Defesa Civil. O temporal que atingiu o Grande Rio deixou cinco pessoas mortas, provocou deslizamentos, bolsões d’água e quedas de árvores. Witzel ainda culpou as prefeituras passadas pelo o que chamou de “abandono”.

“Sobrevoei a área e pude constatar, de Guaratiba até o início da Niemeyer, é que toda encosta tem uma ocupação desordenada. Isso é fruto do abandono da organização urbanística das cidades, especialmente da cidade do Rio. Se fechou os olhos para ocupação desordenada e o resultado, infelizmente, são essas tragédias que estamos assistindo”.

Segundo ele, é necessário um Plano Diretor para solucionar a questão da urbanização inadequada. “É preciso ter, definitivamente, um Plano Diretor para tirar as pessoas de alto risco e ter uma urbanização mais adequada. O poder público municipal das cidades tem que fiscalizar e ficar atento a essas áreas de risco.”

Outro medida para solucionar a situação, segundo ele, é não permitir a ocupação “totalmente desordenada”, que causa desmatamento e risco de deslizamento.

Questionado se via responsabilidade da atual gestão, ele disse que o problema é antigo. “O abandono não é de 2016 para cá, é de décadas. Pouco se fez para evitar que essas construções irregulares avançassem. O que assistimos foram décadas de abandono. Nos últimos anos se preocupou em gastar rios de dinheiro, pra favorecer especialmente a corrupção, e a população ficou desassistida”, afirmou.

O governador garantiu que a Defesa Civil estava monitorando, desde a manhã de quarta-feira (6), todo o movimento climático. “Várias sirenes foram acionadas e várias medidas foram tomadas pelos prefeitos”, disse ele, apontando para o trabalho do Estado de complementar a ação das defesas civis municipais.

Witzel enfatizou que a fiscalização é uma das principais medidas para evitar novas tragédias. “É preciso que os prefeitos façam seu dever de casa. Eles têm que fiscalizar, notificar, retirar essas pessoas e planejar novas áreas de expansão imobiliária. Eu estou fazendo a minha parte”, disse em alusão à criação da Câmara Metropolitana.

Cinco pessoas morreram e uma estava desaparecida até as 13h desta quinta depois que a forte chuva atingiu o Grande Rio. O temporal chegou acompanhado de ventania causou apagões, derrubou árvores, alagou vias e fechou a Avenida Niemeyer, onde um trecho da ciclovia desabou.

Dois ônibus foram atingidos por deslizamento de terra e árvore na Avenida Niemeyer. Em um deles, uma mulher morreu e outra pessoa é procurada. A mulher que morreu estava sentada atrás do banco do motorista, que conseguiu sair do veículo e teve escoriações. Com a força do deslizamento de terra, o ônibus foi jogado contra a mureta da avenida e invadiu a ciclovia.

Check Also

Aliados saem em defesa de Bebianno e cobram de Bolsonaro pulso com filho

“Misturar família” gera insegurança, diz Rodrigo Maia. Presidente vai dar “ordem unida” à “rapaziada”, diz …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *