Home / Brasil / Protesto no Ministério da Educação tem confusão entre PMs e manifestantes

Protesto no Ministério da Educação tem confusão entre PMs e manifestantes

Uma manifestação em frente ao Ministério da Educação (MEC) terminou em confusão na tarde desta terça-feira (16). Policiais militares e manifestantes entraram em confronto. Os PMs usaram spray de pimenta e cassetetes para dispersar o ato.

O grupo, formado principalmente por estudantes e professores, protestava contra cortes de verbas na Educação e a possibilidade de cobrança de mensalidades em universidades federais. A confusão teria começado depois que participantes do ato colaram cartazes na porta do MEC.

Os policiais militares teriam retirado o material e, após protesto dos manifestantes, teve início o confronto. Os estudantes alegam ter sido agredidos pelos militares.

Já a PM afirma que os participantes depredaram uma viatura da corporação. Um deles também teria agredido os policiais com um cone de trânsito. Ele foi levado à 5ª Delegacia de Polícia (Plano Piloto).

O Ministério da Educação (MEC) repudia o ato violento, ocorrido na tarde desta terça-feira, 16 de julho, contra policiais militares. Os PMs estavam em serviço para garantir a ordem pública e evitar possíveis danos ao patrimônio e aos servidores da sede da pasta, em Brasília.

Manifestantes, organizados pela União Nacional de Estudantes (UNE) – estavam com camisetas da entidade, furaram o bloqueio feito pelos policiais na entrada do ministério e um deles arremessou um cone de sinalização na tropa. Dois militares se feriram e uma viatura foi pichada e depredada. Para dispersar os manifestantes, que tentaram invadir o prédio, foi usado gás lacrimogênio.

A atual gestão do MEC, embora esteja aberta ao diálogo, esclarece que não houve contato de representantes do grupo para uma conversa com gestores do Ministério. O MEC presta todo o apoio à Polícia Militar do Distrito Federal e aos policiais lesionados.

Check Also

STF perdoa pena de mais dois condenados no mensalão do PT com base no indulto de Temer

Ex-sócios de Marcos Valério, os publicitários Cristiano Paz e Ramon Hollerbach tiveram as penas privativas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *